Mas e o Chile?

sexta-feira, outubro 07, 2016

Eu demorei pra fazer esse post por pura preguiça mesmo - sorry guys
Já contei aqui um pouco antes de ir alguns detalhes sobre nossa viagem missionária ao Chile. A verdade é que tínhamos uma ideia bem fixa do que faríamos lá e foi exatamente isso que fizemos, não saímos fora do escopo, até porque o pastor que organizou a viagem era bem "rígido" com essas coisas, mas vou contar um pouco de qual foi minha experiência.

Chegando no Chile, eu não tive a impressão de estar fora do Brasil, todas as coisas pareciam bem similares com São Paulo, o aeroporto, a cidade de Santiago. Não haveria um choque cultural se não fosse pela diferença linguística e pelos 3ºC que faziam na noite que chegamos.
Ficamos hospedados na igreja de Vitacura por 24h, pois nosso ônibus sairia em direção a Victoria apenas na noite seguinte.
Após 8h de viagem de ônibus (tive até que tomar um remedinho porque odeio viagens longas) fomos recebidos pelo casal simpático de pastores da igreja que passaríamos os próximos 11 dias. Estava uma manhã chuvosa e gelada e a previsão do tempo, segundo a pastora era de chuva e frio para os próximos dias - resolvemos interceder e em nenhum outro dia houve chuva, muito pelo contrário houve um sol tão quentinho que nem mesmo o vento gelado cortante tirava a sensação de aconchego que o calor dele proporcionava.
Recebemos a equipe do Máxima Misión durante nosso 1º final de semana lá, haviam uns 40 jovens de todos os lugares do Chile que nos ajudaram com a construção, na cozinha e no evangelismo - fizemos muitos amigos e pudemos interagir bastante conhecendo as nossas diferenças e aprendendo uns com os outros. Basicamente, nosso trabalho foi a remoção do teto antigo e a colocação do forro novo, manta térmica, telhas novas e instalação elétrica, um caminho de cimento entre o portão e a porta da igreja, pintura do portão e uma plataforma para os pastores e instrumentos. Muita madeira quebrada e serrada para o forno a lenha da casa dos pastores, retirada de entulho. Cozinhar, cozinhar e lavar a louça da moçada, limpar e lavar banheiros, cozinha, templo, sala e tudo que estivesse sujo, qualquer coisa, de verdade hahaha.
Durante todos os 11 dias que ficamos em Victoria pudemos ver a mão do Senhor, na construção, na vida dos pastores, na multiplicação da comida, nos devocionais e cultos, no amor e hospitalidade dos nossos novos amigos, na vida do casal que aceitou a Cristo, no rosto das crianças do bairro e no nosso próprio corpo - haviam horas que o cansaço e frio chegavam a querer nos fazer ir embora, mas logo no outro dia já acordávamos mais dispostos - conseguimos concluir nossa missão um dia antes e tiramos um dia para fazer uns passeios turísticos ali na região de Victoria, foi super divertido e com paisagens deslumbrantes.

É um país muito rico, com uma cultura interessante e paisagens lindas, mas a verdade seja dita, não cativou meu coração. Ficar esse tempo lá me permitiu compreender a frieza espiritual que o povo de lá vive. O quanto a cultura 'mapuche' influencia muitos habitantes e o quanto a religiosidade ainda faz parte do povo latino (de modo geral). É um país que precisa de oração, felizmente Deus nos mostrou alguns indícios de que Ele já está trabalhando com alguns jovens e líderes para um avivamento no Chile e eu sei que esse é só o começo de algo lindo que Deus fará ali.

"Sim, coisas grandiosas fez o Senhor por nós, por isso estamos alegres."{Salmo 126:4}

Assistam os videos abaixo com os meus melhores momentos e sobre a construção, para quem quiser conhecer mais coisas curam a página da MNI no facebook.



Pode ser que você também goste:

1 comentários